sábado, julho 09, 2005

a farda de cáqui

Image hosted by Photobucket.com

imortalidade


Esta fotografia é tirada em Vila Nova de Ficalho, em 26 de Julho de 1935. Assim se lê no verso. O cenário é uma pintura decorativa, representando um caminho com flores à volta. Servia para qualquer fotografia, independentemente da diferença de escala provocada pela proximidade ou afastamento do modelo em relação a esse mesmo cenário.
No meu primeiro olhar, o homem parecia-me um militar da GNR. Mas não, é um guarda fiscal. Provavelmente não será da terra, porque os guardas fiscais nunca eram das terras onde prestavam serviço. Lembro-me de um que encontrei, uma vez, em Rio de Onor, nos anos setenta. Maldizia o isolamento e a distância. E lembro-me de outro ainda, virtual, o guarda Robalo, do conto “Fronteira” de Miguel Torga. Esse é que não era da terra, mas envolveu-se de tal maneira com Isabel, uma contrabandista daquela povoação, que se passou para outro lado, o dos contrabandistas. Encontrou o amor, venceu o isolamento, integrou outro espaço.
E com isto Torga escreveu um conto de mestria.

Este homem está com ar sério e em pose. Olha com determinação, sente que está a ser fotografado e fecha os olhos no momento do disparo, conforme verifiquei quando fiz zoom. Vai enviar a imagem a alguém, a imagem irá em vez dele.
Passo esta fotografia pelo scanner e submeto-a ao album das imagens. Coloco-a num draft e depois...publishing! Aqui está.
Observo o modelo: boca fria e fina, por baixo de um nariz recto e olhos olheirentos. Vejo-lhe o corpo rígido, numa farda feita de cáqui, um tecido para muito durar e resistir, quase tão resistente como a ganga original americana. Espada à cinta.

Já terá morrido, este homem? Mas vive agora mesmo, nesta imortalidade que pode ser vista em qualquer parte do mundo.

4 Comentários:

Às 12:19 AM , Blogger jms disse...

De olhos semicerrados, o corpo rígido. Curioso. Diria que é alguém que espera a morte diante do pelotão de fuzilamento. E afinal é o contrário: a tal imortalidade que o lança, 70 anos mais tarde, neste labirinto ambíguo a que alguns chamam blogosfera.

 
Às 10:35 PM , Blogger M.M Rules disse...

Vila Nova de Ficalho??
Meu caro amigo não será Vila Verde de Ficalho ou Vila Nova de S.Bento??
Anyways... gostei da ideia da imortalidade...

 
Às 11:32 AM , Blogger Princesa disse...

Caqui não é um tecido mas sim uma cor… Aquela que vulgarmente chamamos “verde tropa” (apesar de não ser propriamente verde). As fardas da guarda fiscal e da GNR na época eram cinzentas…

 
Às 11:38 AM , Blogger António Ferra disse...

obrigado.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial