sexta-feira, maio 12, 2006

Natália, ainda




















O que me impressiona em muitos retratos de Natália Correia é este olhar que revela uma determinação invulgar da mulher que defendeu as suas ideias, às vezes com uma intransigência aparente. Como se risse da sua própria teimosia. Recordo-a em entrevistas e aparições públicas.
A sua veia satírica não passa despercebida, pois, além do mais, insere-se naquilo que é genuinamente português. Desde os cancioneiros, quando a língua portuguesa ensaiava ligeiros passos da diferenciação.


Já não sei se é país se é orfanato
Pois nem vela, nem reza, nem sabá
Impede que em berreiro e desacato
Ande tudo à procura do papá.
(...)
in Cantigas de Risadilha, O Bisnau, nº1, 1983

2 Comentários:

Às 5:02 PM , Blogger TsiWari disse...

My dear friend...

... a não ser que agora se diga assim, não me parece que ande tudo atrás do papá, não. Acho que tudo corre atrás de coisas outras.

 
Às 12:03 AM , Blogger julio pego disse...

Evocar Natália, é homenagearmos a Liberdade, a Poesia, a Irreverência sempre saudável de quem tinha um Bar (o Botequim), para o encontro necessário, tal como o António Ferra faz neste blogue.
P.S.No Botequim... quem ganhava era o Barman. A Natália era a proprietária... como o poeta "que não sabia nada de finanças"... Espero que a blogosfera ainda não tenha dono...

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial