quarta-feira, maio 24, 2006

reconstruções da memória




















interior da capela da N. Sª da Boa Morte,
da casa do Passadiço, em Covide

No interior da capela abandonada podia ver-se um resto de talha barroca já com os dourados quase apagados, um napperon enegrecido de renda branca e rota, bocados de madeira encostados à parede, um genuflexório partido onde se reconhecia um sinal de veludo carmim. Tudo acontecia na difusão da luz que vinha de uma abertura onde aparecia o sol sobre um varandim. A porta, pesadíssima, encontrava-se fechada e resistia ao tempo. Um ligeiro vento passava pelo interior da capela para onde se podia espreitar através de umas grades. Por umas aberturas secretas ouvia-se um pano a bater.
Parecia que um cão ladrava, reclamando a reconstrução das almas.

1 Comentários:

Às 11:53 PM , Blogger TsiWari disse...

mas que lamentável...



...e que pena!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial