sexta-feira, novembro 11, 2005

para o fim de semana, a não perder

a não perder

o malabarista na baixa pombalina
desabitada no outono

a não perder

o jogo das cadeiras num salão
tingido de sopros em surdina

a não perder

as luzes apagadas pela mão da homeless
dormindo em quartos de cartão

a não perder

as almas quase sempre diletantes
na melodia burilada que entristece

a não perder

o rosto de um artista a querer sorrir
destinado a corridas fulgurantes

a não perder

o espectáculo da escrita do poeta
à procura dos poemas a parir

a não perder

o riso das mulheres feitas de noite
de lábios acesos ao morrer
(um hábito vestido a destoar)

a não perder

Antonio Ferra, inédito, 2003, série "satírica"

1 Comentários:

Às 6:05 PM , Blogger TsiWari disse...

forte.~

tem muita força este poema.~

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial